• Mônica Sparta

Cópia de Ser ou não ser, eis a questão.

Por que é tão difícil escolher uma profissão? Porque ao escolher uma profissão, estamos escolhendo quem ser através do que fazer.

O que QUEM você quer ser quando crescer?


Provavelmente, quando era criança, você deve ter ouvido pelo menos uma vez a pergunta “O que você quer ser quando crescer?”. Eu ouvi, seus pais também devem ter ouvido. Seus avós.


O trabalho faz parte da vida e costuma, para a maioria de nós, ocupar uma grande e importante parte dela. Mas quando crianças, ainda não temos consciência disso e geralmente respondemos a essa pergunta sem levar em consideração muitos dados da realidade.


Ao dizer que queremos ser bombeiros, astronautas, bailarinas, jogadores de futebol, na verdade estamos dizendo que queremos ser iguais a alguém a quem atribuímos as características que percebemos em bombeiros, astronautas, bailarinas e jogadores de futebol.


(Aqui, é importante deixar claro que nossas percepções sobre pessoas e profissões podem ou não ser realistas, mas o importante é entender que fazemos essa conexão e que ela não está necessariamente ligada a profissão real da pessoa em questão.)


Respondemos à pergunta “O que você quer ser quando crescer?” a partir das identificações que vamos construindo durante a infância, sejam elas com pessoas reais, próximas (pais, professores, colegas) ou não (atores, cantores, atletas, youtubers), ou com personagens fictícios de livros, revistas em quadrinhos, desenhos animados, games.


Essas identificações são a base para a construção do que chamamos de identidade. Na Psicologia, o conceito de identidade pode variar um pouco dependendo da teoria, mas, de uma maneira geral, refere-se à percepção que temos de ser únicos e de continuarmos a ser a mesma pessoa apesar da passagem do tempo ou da mudança de contexto.


É tão difícil escolhermos uma profissão quando estamos no final da adolescência ou no início da idade adulta, porque nestes momentos da vida estamos definindo nossa identidade e percebemos a profissão como uma expressão não apenas do que queremos fazer, mas também, e principalmente, de quem queremos ser.